Organizações da sociedade civil que integram o Fórum Cearense de Enfrentamento à Violência Sexual contra crianças e adolescentes * realizam um ato para marcar o Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual contra crianças e adolescentes, no dia 18/05, às 15h30min, na Praça do Centro Dragão do Mar, com caminhada em direção ao terreno onde será construído o Aquário.

O tema destacado este ano trata das violações aos direitos humanos de crianças e adolescentes provocadas pelas Grandes Obras, dentre elas o aumento da exploração sexual. A programação contará ainda com um debate sobre o modelo de desenvolvimento capitalista e a resistência de grupos/comunidades impactadas por esse modelo e pelos grandes projetos, que ocorrerá no dia 18/05, das 9h30min às 12h, na Faculdade Católica de Fortaleza (Rua Tenente Benévolo, 201). O debate integra o encontro da 5ª Semana Social Brasileira, da CNBB Regional Nordeste I. Na mesma data, ainda como parte das ações da sociedade civil para o Dia, haverá o cine-debate do Nucepec sobre o enfrentamento a violência sexual infantojuvenil, às 13h30min, no Projeto Pró-médio do Instituto Federal de Educação-IFCE/Benfica. Também haverá uma audiência pública para discutir o tema, que será realizada na Assembleia Legislativa do Ceará, às 14h30min do dia 22 de maio, nos auditórios 02 e 04 do Complexo das Comissões Técnicas.

Em nota, as organizações denunciam os impactos em decorrência de grandes obras, como as da Copa, do complexo siderúrgico e da refinaria. “Grandes obras demandam deslocamentos significativos de mão de obra e de populações. As comunidades que as recebem sofrem com a urbanização explosiva sem prevenção de agravos e aumento do mercado do sexo e de drogas associados a este tipo de deslocamento em massa. Ao invés de cadeias produtivas, vê-se uma cadeia de violações. Tudo isso afeta a vida de milhares de crianças. São elas as mais impactadas pelas remoções, pela alteração do modo de vida e pela pressão que os empreendimentos fazem direta ou indiretamente. E uma das violações mais visíveis e imediatas neste contexto é a exploração sexual de crianças, adolescentes e mulheres jovens”, destacam.

Assinaram a nota e participarão do ato, movimentos sociais diversos, como o Fórum Permanente das ONGS de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum DCA Ceará), Pastoral do Migrante da Arquidiocese de Fortaleza, Encine, Catavento, Movimento Quem Dera ser um Peixe, Visão Mundial, Associação Curumins, Associação Barraca da Amizade, Cedeca Ceará, Visão Mundial, Integrasol, Convida, Bomjart, Nucepec, Pastoral do Menor, Diaconia, Fórum Cearense de Mulheres, Inegra, Tambores de Safo, Rede OPA, Movimento de Saúde Mental do Bom Jardim, Cearah Periferia, Sociedade da Redenção, além das comunidades mobilizadas por cada organização.

Para entender Melhor
O Fórum Cearense de Enfrentamento à Violência Sexual é composto por entidades do governo e da sociedade civil. Neste ano, por discordar da proposta do governo para o 18 de maio, a sociedade civil integrante do Fórum optou por não fazer parte das ações previstas pelas organizações governamentais para a data e realizar um evento da sociedade civil, coerente com o que vem sendo discutido pelos movimentos e pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra crianças e adolescentes.

A nota está disponível em anexo.
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *