Open post

A Juventude tá ON 🔛

por Suzana Moreira

Comunicação CEDECA Ceará*

Coletivos de jovens organizados em diferentes territórios de Fortaleza começaram o ano na ativa e cheios de vontade de provocar mudanças. Nesses quatro primeiros meses de 2022, os coletivos Meraki do Gueto, Alium Resistência e Raízes do Bom Jardim participaram de formações, retomaram parcerias, desenvolveram atividades e incidiram por melhorias para o bairro onde vivem e articularam ações de prestação de serviço à comunidade.

Os coletivos vêm ocupando os espaços de luta na cidade. Recentemente os três grupos de jovens participaram de uma reunião do Fórum Popular de Segurança Pública, além de estarem no processo de construção e participação, junto ao CEDECA, do Diagnóstico Rápido Urbano Participativo (DRUP), para auxiliar na construção de novos projetos, no diagnóstico do cenário de violência nos bairros e para a definição de focos de atuação.

Na terça-feira (12/04), representantes dos coletivos estiveram na sede do CEDECA para 3ª reunião da Comissão de Participação, que visa compartilhar as propostas dos próximos projetos a serem desenvolvidos e construir coletivamente um horizonte para as ações.

3ª Reuniao da Comissão de Participação do CEDECA Ceará

Os coletivos – além de participarem e estarem engajados em ações e agendas da instituição – também têm suas atuações cada vez mais autônomas, o que permite a eles/elas ganhar espaço na cena da luta por direitos na cidade de Fortaleza. 

O CEDECA Ceará atua para o fortalecimento desses coletivos e para que crianças, adolescentes e jovens vivam e exerçam de modo mais pleno possível o direito à participação nos rumos da cidade.

JUVENTUDE QUE SE JUNTA!

O coletivo Meraki do Gueto começou o ano oxigenando e continuando ações do ano anterior. O grupo vem dando continuidade à incidência política articulada com a Mandata Nossa Cara, da Câmara de Vereadores, baseado no monitoramento realizado no posto de saúde da comunidade e a fim de conseguir melhorias para a garantia do acesso à saúde como um direito básico.

Participação e exercício da cidadania são questões das quais o coletivo não abre mão. Por isso, iniciaram um mutirão para auxiliar na solicitação do título eleitoral de adolescentes.

A regularização do título eleitoral para jovens tem sido tema de forte mobilização do coletivo Meraki do Gueto. Foto: https://www.instagram.com/meraki.do.gueto/

Tamara Cristina, jovem de 18 anos e integrante do Meraki do Gueto, destacou que o grupo acredita no poder do voto e por isso tiveram essa iniciativa.

“Pensamos na ação de emissão de títulos de eleitor com adolescente da nossa comunidade, marcamos dias em lugares centrais, estamos indo em escolas e facilitando para eles no passo a passo para tirar o título eleitoral, o objetivo desse ‘rolê’ é dar suporte e conscientizar para que a juventude possa fazer sua parte e exercer sua cidadania”, destaca a jovem.

E vem mais movimento por aí! O coletivo Meraki do Gueto está participando de várias formações e também vem organizando um cine-debate para a comunidade. 

“Vamos realizar em um futuro próximo um cine debate para nossa comunidade e a limpeza de algumas ruas, sabemos que nossa atitude pode mudar a realidade e a forma com que a juventude é vista, esclarecendo não só para a comunidade, mas também para todas as outras pessoas que nós sempre teremos nós!”, completa Tamara.

JUVENTUDE QUE FAZ!

O coletivo Alium Resistência iniciou o ano retomando parcerias importantes e pensando em como se somar em benefício do bem-estar da comunidade em que vive. 

O grupo vem retomando a parceria com a Secretaria do Meio Ambiente (Seuma) e planejando novas ações de limpeza da praia com o objetivo de cuidar do espaço e conscientizar para o cuidado coletivo.

Confira no nosso site como foram as primeiras ações de limpeza de praia do Alium

Juventude organizada do Pirambu mostra força em ação de limpeza de praia

Neste ano, o coletivo já participou e promoveu formações e momentos coletivos em conjunto com o CEDECA Ceará e com outras parcerias e também fortaleceu uma aproximação com os familiares dos jovens que fazem o Alium Resistência.

Nayma, jovem integrante do coletivo, contou um pouco sobre esse processo e sobre as atividades mais recentes do grupo. 

“Tivemos uma reunião com os pais, muito emocionante, as mães se apresentaram e conseguiram entender que o Alium é uma família e que a gente tá aqui não só pra brincar, mas pra ajudar nossa comunidade. Isso ajudou na aproximação dos filhos com as mães e foi algo incrível. Participamos de um debate sobre pobreza menstrual com as meninas do Alium, rolou distribuição de kits com absorventes e outros produtos de higiene. Recebemos a visita do Meraki do Gueto, que nos auxiliou a tirar o título de eleitor, informando e ajudando não só as pessoas do coletivo como também pessoas de fora que queriam e tinham dúvidas sobre. Tivemos um debate com a galera do RUA e várias apresentações do Selo do Século e Quebra Mar REC. Foi super esclarecedor o debate sobre como os artistas periféricos não têm a devida visibilidade e ajuda e com o tempo são apagados da história. Tivemos uma aula com Pedra Silva, sobre o racismo estrutural e como nenhum negro está a salvo enquanto esse racismo estrutural, institucional e muitas vezes cultural estiver por aí”.

JUVENTUDE QUE AGE!

O coletivo Raízes do Bom Jardim chegou em 2022 com foco nas atividades do grupo e no fortalecimento deste enquanto coletivo. Os membros já participaram de vários encontros promovidos pelo CEDECA Ceará e estiveram em reunião do Fórum Popular de Segurança Pública. O grupo é formado por crianças e adolescentes e tem somado na construção de novos projetos.

“Nossos planos daqui pra frente são: estar juntes com outros coletivos e estar mais próximos da juventude, mesmo que a maioria do grupo seja adolescentes. Queremos também fazer o 1° Sarau do grupo. Enfim….projetos ainda vão rolar no decorrer dos encontros”, pontua Iasmym

JOVENS NO CENTRO DA DISCUSSÃO

O CEDECA Ceará junto dos coletivos que assessora criou a Comissão de Participação. Formada por três territórios e dois grupos de mães e profissionais da instituição, o objetivo da comissão é fomentar a participação desses sujeitos nas atividades desenvolvidas pela organização para com esses mesmos grupos assessorados.

Tamara destaca que a comissão é um espaço de muita participação e acolhimento. 

“A importância da comissão de participação é imensurável. São reuniões leves e com a cara jovem, com pautas sérias e um espaço aberto para expressarmos nossa opinião, não são só adultos falando sobre o que achamos e pensamos. Nós temos voz para expressar o que sentimos e o que é importante para nós. A comissão deixa o adultocentrismo de lado, para e nos escuta. Como em muitos lugares nós somos silenciados, é bom saber que essa comissão existe”, pontua Tamara.

A comissão reúne representantes de todos os coletivos, mas o objetivo é que essas representações sejam rotativas para que mais pessoas participem. A aproximação dos grupos para fomentar uma futura rede de articulação entre esses sujeitos coletivos também é um objetivo da comissão de participação e é um processo que  já começa a ser fortalecido.

Suzy, integrante do Alium, também pontua a relevância da comissão de participação para os coletivos. “Estar na comissão de participação é um momento muito rico pra gente, pois tem espaços que nos são negados, e esse é um espaço que podemos falar, dizer o que achamos. Com essa comissão o CEDECA proporciona um momento muito rico para nós jovens dos coletivos que estão nas periferias de Fortaleza. Nas reuniões a gente se sente à vontade pra falar o que acha, o que pode dar certo ou não o que a gente sugere. Fazer parte disso é muito bom”, destaca.

Entenda mais sobre a Comissão de Participação neste vídeo 

AS CORTINAS SE ABREM

Coletivo Alium na apresentação do espetáculo “Das que ousaram desobedecer” (abril 2022)

A cultura tem sido elemento para que os coletivos trabalhem as “poéticas do cotidiano” como forma de resistência à necropolítica. Nesse sentido, atividade marcante nesse começo de ano foi a ida do coletivo Alium para ver a apresentação do espetáculo “Das que ousaram desobedecer”, da Cia Brava. Foi um reencontro feliz e emocionado, resume a assessora comunitária do CEDECA Ceará Joice Forte,  depois de um longo período sem poder frequentar o teatro por causa da pandemia. 


*Edição de Thiago Mendes/Comunicação CEDECA  Ceará

Open post

Marcha da Periferia denuncia fome, política de segurança pública e mortes pela Covid em Fortaleza

A Marcha da Periferia chega à sua 8ª edição em Fortaleza adaptada ao período de pandemia enfrentado pela população mais pobre da cidade. Neste ano, intervenção de arte urbana, ato próximo à Ocupação Carlos Marighella, no Mondubim, e twittaço marcam as atividades.

A  Marcha acontece todos os anos e tem o objetivo de dar visibilidade às lutas e lutos vivenciados pelas populações periféricas de Fortaleza, sobretudo mulheres, crianças e jovens, pelas constantes violências que sofrem e também pelas iniciativas de resistências através da organização, da arte e da cultura. 

O tema deste ano é “Nem Fome, Nem Tiro, Nem Cárcere, Nem Covid: A Periferia Quer Viver!” Diante do cenário da pandemia, a convocação é para que movimentos sociais organizem ações em seus territórios, sempre observando o uso de máscara, álcool em gel e distanciamento social. 

Arte e juventude – A primeira ação da Marcha está programada para esta sexta (04/12), a partir das 9h, no Grande Bom Jardim. Jovens que integram o Fórum de Juventudes da Rede de Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável (Rede DLIS) vão realizar intervenções de arte urbana por meio da construção de painéis com frases em defesa da vida das juventudes, como forma de provocar a reflexão sobre direitos, especialmente o direito à voz na cidade, a partir das periferias. Essa ação local tem apoio do Centro de Defesa da Vida Herbert de Souza (CDVHS).

Solidariedade à luta por moradia – No sábado (05/12), a partir das 8h, será realizado ato em área próxima à Ocupação Carlos Marighella. O momento se soma à luta dos moradores da Ocupação, ameaçados de despejo neste mês de dezembro. 

Em seguida, às 11h, a organização da Marcha participa da inauguração do espaço Ciranda Pequeno Emanuel. O local faz referência à memória de Emanuel, criança morta por ação policial. No fim da tarde, será realizado twittaço nas redes sociais para denunciar as pautas da edição deste ano. 

Histórico – Diferentemente de outras edições, que reuniam coletivos e organizações para sair em caminhada, a Marcha da Periferia deste ano acontece em pequenos ato. O objetivo, porém, continua o mesmo: a defesa da vida digna para as populações periféricas! 

A Marcha ocorre em várias cidades do País e começou em São Luís (MA), chamada pelo Movimento Hip-Hop Quilombo Urbano. Em Fortaleza, a primeira edição aconteceu em 2013, reunindo diversos movimentos periféricos, culturais e de juventude. Já na sua primeira edição, a Marcha pautou a denúncia do extermínio de adolescentes e jovens no marco do Dia da Consciência Negra, em memória de Zumbi dos Palmares, líder histórico da luta do povo negro no Brasil.

 

Serviço

8ª Marcha da Periferia: “Nem Fome, Nem Tiro, Nem Cárcere, Nem Covid: A Periferia Quer Viver!” 

  • Ação de Arte Urbana

04/12, às 9h

Concentração: sede do CDVHS (AV. Osório de Paiva, 5623)

 

  • Ato na Ocupação Carlos Marighella (Mondubim)

05/12, às 8h

 

  • Inauguração da Ciranda Pequeno Emanuel, na Ocupação Carlos Marighella (Mondubim)

05/12, às 11h

 

  • Twittaço nas redes sociais

05/12, às 17h30

Open post

Fique por dentro das nossas “lives”

Nesse período de isolamento social, em razão da pandemia do novo coronavírus, muitas pessoas têm usado a tecnologia para manter contatos e conversas a distância, de modo virtual. Quando as conversas são ao vivo e para todo mundo acompanhar temos as “lives” (referência ao termo live, “ao vivo”, em inglês). 

As conversas virtuais têm se multiplicado nas redes, reunindo papos e ideias de pessoas afastadas espacialmente. Esses encontros ajudam a espalhar afetos e expõem também a desigualdade social e racial do País, pois a conexão de internet nem sempre é boa, especialmente no campo e na periferia.

Mesmo com esse cenário, o CEDECA Ceará se juntou a essa estratégia e tem feito conversas virtuais que já renderam muita experiência, análises e lutas compartilhadas.

Se você perdeu alguma dessas lives, ou quer rever algumas das conversas, chega mais!

As meninas da periferia e o enfrentamento da pandemia

Canal: Youtube CEDECA Ceará

Data: 11/06, 19h

Como a juventude da periferia tem atuado no enfrentamento da pandemia nos territórios de Fortaleza? Como o quadro de desigualdades afeta a vida das meninas, jovens e adolescentes mulheres nesses locais? Para conversar sobre o tema, convidamos as jovens Lany Maria, do Bom Jardim, e Joyce Sampaio, do Pirambu. Vamos juntas? 😉 Durante a live, houve também o lançamento on-line da publicação “Infância, Gênero e Orçamento Público no Brasil”. 

2

ECA 30 anos: enfrentando o racismo na infância

Canal: YouTube + Facebook do CEDECA Ceará

Data: 30/07, 19h 

Julho foi o mês de 30 anos do ECA. Mês de reflexão sobre como essa lei estabeleceu para TODAS as crianças e TODOS adolescentes direitos fundamentais e a própria condição de sujeitos de direitos. Mas a afirmação da universalidade do Estatuto precisa avançar. É cada vez mais necessário discutir o racismo na infância e como ele estrutura desigualdades sociais. Infelizmente, o racismo impõe que meninos e meninas são/serão protegidos e quais estão mais vulneráveis às diversas formas de violência. A morte e a prisão de adolescentes negros no sistema socioeducativo são duas manifestações mais evidentes disso. Para debater caminhos para enfrentar o racismo contra crianças e adolescentes, convidamos para conversar sobre o tema: ⠀

Daniele Teotônio – Mulher negra periférica, professora da rede pública da educação infantil e integrante da Rede de Mulheres Negras do Ceará. 👩🏾‍🦰👩🏾‍🏫✊🏾⠀

Douglas Severiano – Conhecido artisticamente como Miudim, é artista negro de periferia, músico, compositor, poeta e membro do grupo @tamboresdogueto 👦🏾🥁🎙⠀

Yli Martins – Artista do coletivo de teatro político @coletivo_trupirambu é mulher, preta, gorda e periférica. 👩🏾‍🦰🎭🌆

A conversa teve mediação de Talita Maciel, advogada e coordenadora do Núcleo de Incidência do CEDECA Ceará. 

3

Senta que lá vem a história. Pelos nossos, pelas nossas

Canal: YouTube + Facebook do CEDECA Ceará

Data: 31/07, 19h 

Quem conta uma história espera algo em troca. Pode ser um sorriso, um aceno de concordância, um afago. Ou somente sua atenção. Nosso convite para amanhã à noite é seguir as trilhas de Sherazade e ouvir histórias nunca (ou pouco contadas) pelas bandas de cá. Topa? O projeto desenvolvido pelo CEDECA Ceará junto aos territórios no período de pandemia abre as portas para o “Senta que lá vem a história. Pelos nossos, pelas nossas”. Chegue mais, tome seu lugar para ouvir e interagir com três Guardiões da Memória dos bairros Conjunto Palmeiras (Lúcia Ângelo), Pirambu (Carlos Careca) e Bom Jardim (Bianca Pereira). Nas veredas das narrativas, a juventude também marca presença com muita poesia, causas e causos. A história está lançada. O que você trará?

Guardiões da Memória

Bianca Pereira faz parte do gabinete de assessoria jurídica de organização populares e é moradora do Bom Jardim.

Lúcia Ângelo é conselheira de direito, educadora social da Associação Santos Dias e moradora do Conjunto Palmeiras.

Carlos Careca é artista popular, quadrilheiro, presidente do Clube SECAI e morador do Pirambu.

Participações da equipe do CEDECA Ceará em “lives” durante o pandemia da Covid-19

Título: Por Memória e Justiça
Realização: Rede de Mães do Ceará
Transmissão: Instagram do V Encontro Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo do Estado (@contraoterrorismodoestado)
Data: 05/05, 06/05, 07/05 e 08/05, às 19h
Neyla Castro, como mediadora

Link – 05/05: https://www.instagram.com/p/B_-9KcMl3Se/
Link – 06/05: https://www.instagram.com/p/B__BYX1lOyv/
Link – 07/05: https://www.instagram.com/p/B__C204F2cb/
Link – 08/05: https://www.instagram.com/p/B__DEtPFa9w/

Título: Live Formativa: políticas públicas (Campanha de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes – #Eunãosabiaqueeraabuso)
Realização: Fórum Permanente de ONGs de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum DCA)
Transmissão: Instagram do Fórum DCA Ceará
Data: 14/05, 16h
Marina Araújo, como participante
Link: https://www.instagram.com/tv/CALlF9TFtyA/

Título: NOSSAS VIDAS IMPORTAM: impactos da Covid-19 sobre favelas e periferias
Realização: Anistia Brasil
Transmissão: Youtube da Anistia Brasil
Data: 14/05, às 19h
Mara Carneiro, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=an5lIjjXXR4

Título: Direito à Educação de Crianças e Adolescentes no contexto de pandemia
Realização: OAB Ceará – Comissão Especial de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente
Transmissão: Youtube da Campanha Nacional pelo Direito à Educação
Data: 29/05, às 20h
Marina Araújo, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=38Z3TUgS5xg

Título: Sábado de Artes – Entre lives e loves
Realização: Trup’irambu
Transmissão:  Instagram do Trup’irambu
Data: 30/05, às 19h
Renatinha Fernandes, como participante convidada
Link: https://www.instagram.com/tv/CA1Zn7EJ-C1/

Título: Contexto dos Direitos Humanos no Ceará e os desafios para o CEDDH
Realização: Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos
Transmissão: Facebook do CEDDH
Data: 10/06, às 18h
Link: https://www.facebook.com/ceddhceara/videos/182615483168569/

Título: As meninas da periferia e o enfrentamento à pandemia (Na live aconteceu o lançamento on-line da publicação “Infância, Gênero e Orçamento Público no Brasil”)
Realização:
Cedeca Ceará
Transmissão:
Youtube e facebook do Cedeca Ceará
Data:
11/06, 19h
Suzana Moreira,
como mediadora
Link:
https://www.youtube.com/watch?v=9a5NNPBQK_k

Título: (Webinar) Combate à Tortura e maus-tratos em tempos de Covid-19: Relatos de experiência
Realização: Associação de Prevenção à Tortura-APT, Subcomitê das Nações Unidas para a Prevenção da Tortura e Fundo ONU para vítimas de Tortura
Transmissão: aplicativo Zoom
Data: 26/06, 08h às 9h30 (Horário de Brasília)
Mara Carneiro, como participante

Título: Segurança Pública Popular e estratégias para prevenção de homicídios
Realização:
Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará
Transmissão:
Canal do Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará no youtube
Data:
04/07, 16h
Talita Maciel,
como participante
Link:
https://bit.ly/FPSP_youtube

Título: NOSSAS VIDAS IMPORTAM: impactos da Covid-19 sobre crianças e adolescentes
Realização: Anistia Brasil
Transmissão: Youtube da Anistia Brasil
Data: 09/07, 19h
Talita Maciel, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=fB-i2azgmpk

Título: Prevenção à tortura em tempos de Pandemia: análise do sistema socioeducativo brasileiro (A live fez parte do II Seminário Nacional de Prevenção e Combate à Tortura)
Realização: Comitê Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Ceará
Transmissão: Via Google Meet do CEPCT
Data: 10/07, 16h
Link: https://www.youtube.com/watch?v=D63L-SUxU1Q&feature=youtu.be

Título: Direito à saúde mental e prevenção à tortura em tempos de Pandemia (A live fez parte do II Seminário Nacional de Prevenção e Combate à Tortura)
Realização: Comitê Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Ceará
Transmissão: Via Google Meet do CEPCT
Data: 17/07, 16h
Renan Santos, como mediador
Link: https://www.youtube.com/watch?v=Nv2BvLbBryY&feature=youtu.be

Título: Avanços e desafios nos 30 anos do ECA
Realização: Emissora de Rádio Comunitária de Independência 104.9
Transmissão: Facebook FM Independência RCI
Data: 23/07, 12h
Bruno de Sousa, como participante
Link: https://www.facebook.com/rci.independencia/videos/686820361917107

Título: Sábado de Artes – Quando eu como Pirambu
Realização: Trup’irambu
Transmissão:  Instagram do Trup’irambu
Data: 25/07, às 18h30
Efferson Mendes, como mediador/apresentador
Link: https://www.instagram.com/tv/CDFPi4zJO8w/

Título: A emenda constitucional 95 e consequências para as políticas sociais de proteção à infância brasileira
Realização: Erika Kokay
Transmissão: Facebook Erika Kokay
Data: 01/08, 17h
Marina Araújo, como participante
Link: https://www.facebook.com/ErikaKokay/videos/2960314917411016

Título: Homicídios de meninas pobres e negras no Ceará: O que temos a ver com isso?
Realização: Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos
Transmissão: Facebook do CEDDH
Data: 04/08, às 18h
Talita Maciel, como mediadora
Link: https://www.facebook.com/ceddhceara/videos/1770976786377803/

 Título: Webinário #ExposedCeará: em defesa da dignidade sexual de meninas e mulheres.
Realização: OAB Ceará – Comissão Especial de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente
Transmissão: Youtube da ESA Ceará – Escola Superior de Advocacia
Data: 17/08, 14h
Ana Cristina Melo, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=9Qqz1C7v_mw&feature=youtu.be

Título: Segurança pública popular e estratégias para prevenção de homicídios
Realização: Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará
Transmissão: Canal do Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará no youtube
Data: 21/08, 15h30
Carla Moura, como mediadora
Link: https://www.youtube.com/watch?v=33bjQwzVA3c

Título: Assédio nas escolas: conscientizar e acolher
Realização: Coord. de Formação Docente e Educação a Distância
Transmissão: Youtube Coord. de Formação Docente e Educação a Distância (CED Ceará)
Data: 27/08, 15h
Marina Araújo, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=Zy7UkdVt5ys

Título: “Cidadão, não! Engenheiro Civil!”: uma conversa sobre educação e construção de novas relações de poder
Realização: Grupo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Educação – GEduc
Transmissão: Youtube Grupo GEduc
Data: 23/09, 19h
Mara Carneiro, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=yGV7vaxCF-M

Título: Pelos nossos, sempre: por memória e justiça dos(as) adolescentes assassinados(as) no Ceará
Realização: Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará em parceria com as Mães do Curió, CEDECA Ceará e Fórum DCA
Transmissão: Canal do Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará no youtube
Data: 11/11, 19h
Neyla Castro, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=duFAB7SD_eI

Título: Política Pública de Segurança: o que temos a dizer sobre ela
Realização: Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará e  CEDECA Ceará
Transmissão: Canal do Fórum Popular de Segurança Pública do Ceará no youtube
Data: 12/11, 19h
Carla Moura, como participante
Link: https://www.youtube.com/watch?v=BK0gisiQo_U

Título: Mães do Curió convidam…Comissão de Direitos Humanos da OAB/CE
Realização: Movimento de Mães e Familiares do Curió
Transmissão: Facebook Mães do Curió Lutam por Justiça
Data: 16/11, 19h
Neyla Castro, como mediadora
Link: https://www.facebook.com/100504354755508/videos/372891983801474

Título: Mães do Curió convidam…Rede Acolhe
Realização: Movimento de Mães e Familiares do Curió
Transmissão: Facebook Mães do Curió Lutam por Justiça e Youtube do CEDECA Ceará
Data: 23/11, 19h
Neyla Castro, como mediadora
Link:
(Facebook) https://www.facebook.com/100504354755508/videos/379627116704194
(Youtube) https://www.youtube.com/watch?v=tfhnEr8KGHg

Título: I Seminário Estadual Psicologia e Políticas Públicas | Atuação de psicólogas(os) na Rede de Proteção às Crianças e Adolescentes em situação de violência sexual
Realização: Conselho Regional de Psicologia (CRP-CE)
Transmissão: Youtube Conselho Regional de Psicologia (CRP-CE)
Data: 12/12, 16h30
Link: https://www.youtube.com/watch?v=pMwBt49M7sE&feature=youtu.be

Open post

CEDECA Ceará se soma às campanhas de doações no enfrentamento ao novo coronavírus

O CEDECA Ceará atua atualmente em três territórios de Fortaleza: Bom Jardim, Jangurussu/Ancuri e Pirambu. Nesses bairros, são realizadas ações de arte-educação e formação política junto a coletivos e grupos de adolescentes e jovens.

Juventude e movimentos sociais das comunidades da periferia de Fortaleza têm mobilizado iniciativas e campanhas para doação de cestas básicas e itens para higienização como forma de prevenção e auxílio às famílias mais vulneráveis que enfrentam o novo coronavírus. O CEDECA Ceará se soma a essas iniciativas e coloca à disposição da população a conta do Pay Pal para facilitar o recolhimento de doações.

Faça a sua doação aqui 
[As doações podem ser feitas por meio de conta do PayPal ou no cartão de crédito]

Quem vai receber as doações
As doações serão destinadas a iniciativas, frentes e coletivos reconhecidos pelo CEDECA Ceará pela auto-organização e seriedade em fazer chegar o auxílio a moradores e moradoras das três comunidades que mais precisam neste momento. Haverá prestação de contas do destino das doações no nosso site.

O que o CEDECA Ceará defende para enfrentar o novo coronavírus
Além das iniciativas de doação, o CEDECA Ceará defende a revogação da Emenda do Teto de Gastos; o pagamento imediato da renda básica a quem mais precisa; a garantia dos empregos de trabalhadores e trabalhadoras; o apoio do Estado para que as famílias possam, de fato, realizar o distanciamento e isolamento sociais necessários; medidas específicas de proteção às populações mais vulneráveis, especialmente crianças e adolescentes em situação de rua e em acolhimentos institucionais, como adolescentes em privação de liberdade.

Open post

Música e poesia dão o tom do Sábado de Artes de setembro

O evento mensal de arte e cultura  já entrou no calendário da cultura produzida nas periferias de Fortaleza

Música e poesia foram as linguagens artísticas que marcaram a edição de setembro do Sábado de Artes. O evento ocorre mensalmente no Centro Cultural Chico da Silva, no Pirambu, e vem se consolidando no calendário cultural da cidade.

Na edição do último dia 28/09, os convidados foram Douglas Severiano, Jardson Remido e Léo, do coletivo Subconsciente em Pauta.  Houve apresentações de poemas e músicas ao violão, com linguagem crítica e poética a partir dos olhares e sensibilidades dos jovens da periferia.

“O microfone aberto é uma característica desses eventos. É interessante ver como a turma vai despertando e perdendo a timidez para participar”, detalha Fernando Leão, da equipe do CEDECA Ceará. Ele destaca ainda o interesse despertado pelo evento em moradores de outros bairros da cidade, que têm ido prestigiar o encontro, seja para assistir, seja para se apresentar.

A turma do Trup’irambu, responsável pela curadoria da edição de setembro, esteve presente no evento, além dos/das jovens da turma recém-formada no bairro, a partir do trabalho desenvolvido pelo CEDECA Ceará.

Ainda na edição deste mês, os/as participantes foram convidados/as a se juntar à VII Marcha da Periferia. A próxima edição do Sábado de Artes, em outubro, vai ser voltado para apresentações que serão feitas durante a marcha.

 

 

Open post

Marcha da Periferia realiza 6ª edição com concentração na Uece

A Marcha da Periferia chega à sua sexta edição em Fortaleza pautando o tema do extermínio da juventude. A concentração para a marcha ocorre na quarta-feira (14/11), no campus do Itaperi, da Uece, a partir das 15h, de onde os participantes seguem até a Praça da Cruz Grande, no Bairro Serrinha.

Marque presença no evento:

https://www.facebook.com/events/691705127881764/

O percurso será marcado por apresentações musicais e culturais e demais intervenções artísticas. “E se fosse seu filho ou sua filha? Todas as vidas importam” é o tema desse ano, denúncia do alto índice de assassinato de adolescentes e jovens no Estado.

Somente em 2017, 981 jovens de 10 a 19 anos foram assassinados no Ceará, de um total de 5.134 pessoas mortas no Estado. Fortaleza e Ceará são, respectivamente, capital e Estado brasileiros com maior Índice de Homicídios na Adolescência (IHA). Entre 2016 e 2017, houve aumento de 91% no número de mortes de adolescentes em Fortaleza. Destacamos neste ano o aumento também no número de feminicídios com um aumento de 196% de um ano para o outro.

A Marcha manifesta solidariedade às famílias e amigos das juventudes vítimas de chacinas que aconteceram nos últimos anos em nosso estado. Outra bandeira de luta é o repúdio ao extermínio e à violência contra a juventude negra, pobre e periférica, a quem historicamente vem sendo negados direitos básicos.

Histórico – A Marcha da Periferia ocorre em várias cidades do País e começou em São Luís (MA), chamada pelo Movimento Hip-Hop Quilombo Urbano. Em Fortaleza, a primeira edição aconteceu em 2013, reunindo diversos movimentos periféricos, de juventude e culturais. Já na sua primeira edição a Marcha pautou a denúncia do extermínio de adolescentes e jovens no marco do Dia da Consciência Negra, em memória de Zumbi dos Palmares, líder histórico da luta do povo negro no Brasil.
1467409_224084411101995_1551199986_n
Em 2017, a Marcha lembrou, na avenida Beira-Mar, os 2 anos da Chacina do Curió, que resultou na morte de 11 pessoas, em novembro de 2015. Dezenas de coletivos, grupos, movimentos e organizações organizam a marcha neste ano em Fortaleza.

ONDE ESTAMOS

PARCEIROS E ARTICULAÇÕES

Scroll to top