Adolescentes protestam contra a baixa execução orçamentária da Prefeitura de Fortaleza na área da infância

O Luizianne, volte à escola! Esse é o apelo que será feito na próxima segunda-feira (12), pelos adolescentes que integram a Rede OPA! – Orçamento e Participação Ativa – em frente à sede da Prefeitura, quando simularão uma aula sobre orçamento. Os adolescentes analisaram os pontos do relatório da execução orçamentária de Fortaleza, produzido pelo Cedeca, relacionados à infância e adolescência, e concluíram que a Prefeitura não tem considerado o público infanto-juvenil como prioridade, sobretudo na área da educação.

Os adolescentes produziram um documento, intitulado “Execução Inativa”, no qual apontam sérias lacunas na execução:
– Apoio ao atendimento em creches: 0% executado;
– atendimento de estudantes com necessidades educativas especiais: 0% executado;
– Construção de escolas: 0% executado;
– Construção, reforma e equipamentos de creches: apenas 3,04% dos recursos destinados foram executados;
– Manutenção do ensino médio: 27,27% executados.

Segundo Vanessa Kelly Rodrigues, 15 anos, integrante da Rede OPA, a execução da Prefeitura foi decepcionante, sobretudo para uma gestão que trabalhou com orçamento participativo. Para Vanessa, a manifestação em forma de aula é para lembrar à prefeita Luizianne Lins – que também é professora – a importância de se aplicar em educação.

Sobre a Rede OPA – A Rede Orçamento e Participação Ativa foi criada este ano, a partir do projeto desenvolvido pelo Cedeca, desde 2003, com adolescentes de vários bairros de Fortaleza. Eles acompanham o orçamento público, monitoram a execução e apresentam propostas ao orçamento.

Serviço: Luizianne, volte à escola! Aula-protesto
Quando: dia 12/12 (segunda-feira)
Horário: 8:30h
Onde: em frente à Prefeitura (Av. Luciano Carneiro, 2235)
Mais informações: Vanessa Kelly (9608-3170) ou Micilvânia Bento (3281-8133)

Assessoria de Comunicação
Renata Soares – 3252-4202/ 9926-6828

Intercâmbio – Adolescentes da África do Sul visitam Cedeca

Trocar experiência e discutir como crianças/adolescentes podem interferir no orçamento e como as entidades no Brasil e África do Sul têm trabalhado esse tema. Esse é o objetivo da vinda de sete sul-africanos – dois adultos e 5 adolescentes – ao Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca). As atividades do intercâmbio acontecerão de hoje (dia 9) até o dia 15.

Amanhã (10), os adolescentes sul-africanos, em companhia dos adolescentes da Rede OPA!, farão um passeio diferente por Fortaleza, comparando os equipamentos sociais da periferia com os das áreas nobres da cidade e percebendo as desigualdades de Fortaleza. A saída será às 9horas, do prédio do Cedeca. No percurso, bairros como Pirambu, Antônio Bezerra, Parangaba, Edson Queiroz e Aldeota.

Os adolescentes da África do Sul integram a ONG Idasa. No Cedeca, terão contato com os adolescentes da Rede OPA – Orçamento e Participação Ativa, que acompanham, monitoram e apresentam propostas ao orçamento municipal destinado a ações voltadas para infância e adolescência. A experiência do Cedeca nessa área, com adolescentes, teve início em 2003 e segundo os visitantes serviu de inspiração para o trabalho na África do Sul.

Durante o intercâmbio, acontecerão oficinas sobre metodologias de acompanhamento de orçamento com crianças e adolescentes e discussão sobre a situação da infância nos dois países.

Mais informações:
Margarida Marques (Cedeca) – 3252-4202/ 8815-6668

Assessoria de Comunicação
Renata Soares – 3252-4202/9926-6828

Seminário discute relação entre Publicidade, Consumo e Infância

Criança e o adolescente são sujeitos de direitos e como tais, devem ter liberdade de escolha e direito à comunicação de qualidade. Partindo desse princípio, como é a publicidade destinada à venda de produtos infantis? Qual o papel que a publicidade desempenha na relação entre infância e consumo? A publicidade influencia na formação de crianças e adolescentes?

Para discutir essas questões e refletir sobre a prática publicitária voltada para o público infantil, o Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca/CE) promove, na próxima quinta-feira (dia 15), o Seminário Publicidade, Consumo e Infância, no mini-auditório da Faculdade Farias Brito (Rua Castro Monte, 1364) das 8 às 17 horas.

Com os debates do Seminário, o Cedeca pretende oferecer subsídios para um diálogo educativo sobre o tema e fomentar uma atitude crítica em relação à publicidade para o público infantil. Também será discutido o Projeto de Lei 5921/01, que tramita na Câmara Federal e proíbe publicidade voltada para a infância.

Participam do seminário Edgard Rebouças (Universidade Federal de Pernambuco); Inês Vitorino (coordenadora do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Ceará), Eliziane Colares (Associação Brasileira das Agências de Publicidade – ABAP/CE), Luciana Miranda (coordenadora do curso de Psicologia da UFC), Micaelle Machado (programa Megafone, da ONG Encine), Giácomo Brayner (publicitário), dep.federal Maria do Carmo Lara (relatora do PL Lei5921/01), estudantes, profissionais da área e demais pessoas interessadas no assunto.

O evento é aberto ao público, com vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas através do email: renata.soares@cedecaceara.org.br, pelo telefone (85) 3252-4202 ou diretamente na sede do Cedeca (Rua Deputado João Lopes, 83, Centro, Fortaleza)

CEDECA apresenta emendas ao orçamento do Estado do Ceará

O Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDECA) protocolou, ontem (30/11), para a Mesa Diretora da Assembléia Legislativa do Ceará (ALEC) 28 emendas ao orçamento do Estado. O produto é resultado do trabalho da Rede Cearense de Organizações e Movimentos para o Controle Social do Estado. O Cedeca se utilizou do instrumento criado pela ALEC, chamado “Projeto Iniciativa Compartilhada”, instituído pelo ato normativo 224, de junho de 2003, com o objetivo de possibilitar uma maior integração entre sociedade civil e poder Legislativo. Segundo informações da Assembléia, é a primeira vez que o instrumento é utilizado para apresentação de emendas.

As 28 emendas – distribuídas nas áreas de saúde, educação, assistência social, desporto e lazer – têm por finalidade reorganizar o orçamento estadual, priorizando políticas voltadas para infância e adolescência, invertendo a proposta do Executivo, que prioriza o pagamento de dívidas em detrimento de ações importantes, no âmbito social.

Antes de protocolar as emendas, a Rede apresentou as propostas à Frente Parlamentar pela Infância e às Comissões de Direitos Humanos e Educação da Assembléia. Essas emendas, junto com as apresentadas pelos parlamentares, serão analisadas até o dia 15 de dezembro e a expectativa é de que modifiquem a proposta do poder Executivo.

A Rede Cearense de Organizações e Movimentos para o Controle Social do Estado é composta pelo Cedeca, Cáritas, CDVHS, Campe, ABBEM, Rede Orçamento e Participação Ativa, Sociedade de Apoio à Família Sobralense, Bomjart, Catavento e Fórum DCA. Amanhã (1/12), a Rede estará apresentando, em entrevista coletiva às 14 horas, no Cedeca, o resultado do monitoramento do orçamento estadual de 2005, assim como as emendas apresentadas hoje à Assembléia.

Instituições que monitoram orçamento estadual convocam para entrevista coletiva

O estado do Ceará não prioriza a criança e o adolescente. A constatação foi feita pela Rede Cearense de Organizações e Movimentos para o Controle Social do Estado, a partir do monitoramento da execução orçamentária realizada até início de novembro e da proposta de orçamento apresentada pelo Governo do estado do Ceará para o ano que vem. As instituições que integram a Rede produziram um relatório, que será apresentado à imprensa, em entrevista coletiva marcada para amanhã (quinta-feira), às 14horas, no Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca).

Durante a coletiva, as instituições apresentarão problemas identificados na execução e planejamento do orçamento estadual, sobretudo nas rubricas relacionadas à infância e adolescência, assim como as emendas apresentadas pela Rede, aos parlamentares cearenses, com propostas de melhoria ao orçamento 2006.

Na Educação, foram encontradas irregularidades graves, como a aplicação indevida de R$ 88,9 milhões dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF) e a conseqüente não aplicação dos 15% obrigatórios das receitas de impostos do Estado no ensino fundamental. Além disso, cerca de 12,6% (R$ 198.036.300,00) dos recursos que o Estado põe como manutenção e desenvolvimento do ensino são na verdade para o pagamento de aposentadorias e pensões, o que é ilegal conforme sucessivos entendimentos do Tribunal de Contas do Estado. Não houve dotação orçamentária este ano – e não está proposto para o ano que vem – para garantir fardamento escolar e material didático aos estudantes – desrespeitando a legislação em relação ao ensino gratuito e de qualidade.

As modalidades educação indígena e especial também foram prejudicadas. A proposta de orçamento de 2006 prevê uma redução de 48% do valor aprovado em 2005, para a educação indígena, que foi R$ 1 milhão e 865 mil. Desse valor, no entanto, apenas 4,41% (pouco mais de R$ 82 mil) foram executados até novembro. Dos recursos destinados à educação especial, apenas 13% foram executados e a proposta para o ano que vem é diminuir em mais da metade os recursos para essa área.

Na saúde, nenhum recurso foi aplicado em ações de apoio ao tratamento de drogadição a crianças e adolescentes em situação de risco na capital, apesar do orçamento estadual 2005 prever R$14 mil e 500 reais para este fim. Para 2006, a proposta do governo do estado é retirar a rubrica do orçamento.

Na área da assistência, um ponto que chamou a atenção das entidades foi o acréscimo de recursos nas políticas voltadas à repressão, em detrimento às políticas de prevenção. O que pode ser verificado no aumento proposto de 105% para manutenção dos centros de medidas sócio-educativas e na diminuição de 25% para o combate ao trabalho infantil e de 35% no Programa Criança Fora da Rua Dentro da Escola. Sem contar que não está previsto nenhum recurso para ações de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes.

Sobre a Rede: A Rede Cearense de Organizações e Movimentos para o Controle Social do Estado foi criada em julho deste ano e é composta por entidades da capital e do interior do Estado que monitoram, acompanham e propõem emendas ao orçamento estadual, nas áreas relacionadas às questões sociais, principalmente voltadas para o público infanto-juvenil.

Sobre a entrevista coletiva
Data: 1/12/2005 (quinta-feira)
Local: Cedeca (Rua Deputado João Lopes, 83, Centro)
Horário: 14h
Contatos
Margarida Marques (Cedeca) – 3252-4202/ 8815-6668
Keyla Leite (Campe) – 8819-7182
Patrícia Amorim (Cáritas) – 3253-6998/ 9181-6763

Mais informações:
Renata Soares (assessoria de comunicação do Cedeca) – 3252-4202/ 9926-6828

Posts navigation

1 2 3 87 88 89 90

VEJA TAMBÉM

ONDE ESTAMOS

PARCEIROS E ARTICULAÇÕES

Scroll to top